Modelo chega com novos equipamentos e motor 1.5 mais potente, com injeção direta de combustível: além do sedan, gama ganhou inédito modelo hatchback

Um dos principais lançamentos do mercado automotivo em 2021, o New City da Honda chega às lojas completamente reprojetado. Pela primeira vez no Brasil, a gama terá, além do Sedan, o Hatchback. Com os dois modelos, o fabricante promete elevar os padrões do segmento, com tecnologias e equipamentos inéditos.

Na comparação com a geração atual, o New City está 94 mm mais comprido e 53 mm mais largo. A altura total ficou 8 mm menor, para reforçar a ideia de esportividade. Na verdade, o design como um todo ficou mais dinâmico, graças à silhueta bem marcada e às linhas dos faróis e das lanternas traseiras, que trazem LEDs.

Além do aspecto mais esportivo, a nova carroceria permitiu o aumento do espaço interno. De acordo com a Honda, os passageiros traseiros contam com acomodações mais confortáveis graças à adoção de bancos dianteiros com encostos mais finos, apoiados em trilhos mais espaçados: isso permitiu maior área para a região dos joelhos e dos pés. No sedan, o porta-malas continua sendo referência no segmento, com 519 litros.

Por sua vez, o New City Hatchback “herda” do “irmão” Honda Fit o sistema Magic Seat, que permite rebater os bancos em quatro posições diferentes (Utility, Long, Tall e Refresh). Isso permite a acomodação de objetos e volumes com diferentes dimensões e formatos. No modo Utility, o espaço útil na cabine é de 1.168 litros, superando até os 1.045 litros de volume máximo do Fit.

Equipamentos do New City da Honda

O New City chega em três versões (EX, EXL e Touring) na configuração Sedan, enquanto o Hatchback oferece as duas últimas opções (EXL e Touring). Externamente, toda a gama vem equipada com rodas de liga leve de 16 polegadas e com luzes de rodagem diurna (DRLs) em LEDs.

Entre os equipamentos, o destaque do New City é a adoção das tecnologias ativas de segurança, o pacote Honda Sensing. Disponível na versão top de linha Touring, ele inclui controle de cruzeiro adaptativo, sistema de frenagem automática, assistente de permanência em faixa, sistema para mitigação de evasão de pista e comutação automática dos faróis alto e baixo.

No mais, todas as versões trazem assistente de partida em rampa, controles eletrônicos de estabilidade e tração acionamento automático das luzes de emergência em frenagens fortes, seis airbags (frontais, laterais e do tipo cortina) e alerta de baixa pressão dos pneus. A partir da versão EXL, no modelo Sedan, e na Touring, no Hatchback, há ainda o LaneWatch, um assistente para reduzir o ponto cego, por meio de uma câmera no espelho retrovisor do lado do passageiro.

A nova central multimídia tem tela touch de 8 polegadas e compatibilidade com as plataformas Android Auto e Apple CarPlay sem-fio. O equipamento vem de série em todas as versões do New City, assim como chave presencial com botão de partida do motor e ar-condicionado digital.

A versão EXL acrescenta sensores de estacionamento traseiros, bancos revestidos em couro, painel digital TFT de 7 polegadas configurável, ar-condicionado automático e função de destravamento das portas por aproximação da chave. A versão Touring conta ainda com sensores de estacionamento dianteiros e faróis full-LED; no sedan, há ainda espelho retrovisor interno fotocrômico.

Motor e câmbio aprimorados

Sob o capô, a maior novidade do New City é o motor 1.5 com novas tecnologias. Com bloco e cabeçote confeccionados em alumínio, a unidade tem injeção direta de combustível e dois comandos de válvulas no cabeçote:  com o VTC o de admissão tem variação no tempo de abertura. Há ainda o tradicional sistema i-VTEC, que permite a variação da amplitude de abertura das válvulas de admissão.

O resultado é uma potência máxima de 126 cv a 6.200 rpm, tanto com etanol como com gasolina. Quando abastecido com o combustível fóssil, o New City tem a maior potência do segmento, superando os concorrentes. O torque é de 15,8 kgfm com o primeiro combustível e de 15,5 kgfm com o segundo, sempre a 4.600 rpm. Outra vantagem é que a injeção direta permite maior homogeneidade na mistura trazendo ainda mais eficiência, além de dispensar o uso de sistemas auxiliares de partida a frio.

Toda a linha vem de série com um câmbio automático do tipo CVT. Esse sistema tem relações  continuamente variáveis, mas simula sete marchas: o motorista pode trocá-las por meio de paddle shifts no volante. Além do mais, quando o motorista pisa fundo, a central eletrônica faz as mudanças nos pontos fixos, para aumentar a esportividade. Já em descidas, a transmissão aplica o efeito do freio-motor quando necessário, aumentando a segurança e poupando o sistema de freios.

Além do ganho em desempenho, o conjunto mecânico permitiu redução no consumo de combustível. Tanto o Sedan quanto o Hatchback são classificados com nota A no Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular (PBE) em suas respectivas categorias.

A Honda oferece seis opções de cores para o New City Sedan: Branco Tafetá (sólida); Azul Cósmico, Prata Platinum e Cinza Barium (metálicas); e Branco Topázio e Preto Cristal (perolizadas). Na versão Touring com as pinturas Branco Topázio, Cinza Barium e Azul Cósmico, o interior vem em couro claro. Nas demais cores, o revestimento é preto.

A paleta de cores do New City Hatchback tem duas opções a mais, ambas perolizadas: Vermelho Mercúrio e a inédita Cinza Grafeno. O interior é sempre preto. A Honda oferece 3 anos de garantia para a gama, sem limite de quilometragem.